O Projeto Maria Flor é dedicado a todas as mães e acompanhantes da Casa Ronald McDonald. Vindas das mais variadas partes do país, elas trazem pelas mãos os filhos e, na bagagem, a força, a garra de lutar pela vida, mas também um grande medo.
Por isso mesmo, são mulheres delicadas e frágeis como flores; na maioria das vezes, acabam perdendo o referencial do feminino, necessitando de regas e cuidados diários de carinho, acolhimento e amor para que possam se manter eretas e viçosas durante o período de enfrentamento da doença de seus filhos.
O projeto tem como base os recursos expressivos da arteterapia, trabalhando na ressignificação da própria vida, na melhoria da auto-estima e integração dessas mulheres, temporariamente afastadas de seus lares. A cada semana, focalizamos um tema ligado ao feminino, ou questões trazidas pelas próprias mães. Com isso, procuramos criar um espaço ao mesmo tempo de debate e de escuta.
As oficinas de artesanato do projeto pretendem ainda proporcionar-lhes uma fonte de renda, tanto durante a permanência na Casa como na aplicação de seu aprendizado no retorno a seus lares, ajudando-as a se manterem produtivas.
Para tanto, elas entram em contato com materiais diversos, aprendendo a confeccionar uma série de produtos. No final do processo, esses itens ficam prontos para comercialização; o resultado da venda é revertido para as próprias mães e para possibilitar a continuidade do projeto.

 

As mães da Casa Ronald McDonald num dos atendimentos do Projeto Maria Flor
Resultado de uma das oficinas: a possibilidade de geração de receita reforça a auto-estima das participantes